A vida do Mestre Shinran Shonin

Shinran nasceu em 1173 na aldeia de Hino, ao sul de Kyoto, no Japão. Era filho do aristocrata Hino Arinori. Aos nove anos de idade ordenou-se monge no Templo Shôren-In, situado ao norte do Templo Chion-In, no sopé da colina Higashiyama. Recebeu o nome monástico de Han-En. Permaneceu até os 29 anos no Mosteiro do Monte Hiei [1], entregando-se à ascese e ao estudo. Nessa época o mosteiro do Monte Hiei estava bastante contaminado pelo mundo profano e praticamente havia perdido de vista o espírito de seu fundador, o Mestre Dengyô-Daishi. Assim, Shinran não conseguiu encontrar ali a verdadeira salvação. Muito pelo contrário, ele ali só teve aumentadas suas dúvidas.

Foi então que Shinran, a conselho de um seu amigo, o monge Shokaku, resolveu visitar o Mestre Hônen [2] na ermida de Yoshimizu. Com Hônen ele encontrou o verdadeiro caminho de salvação. Shinran exprimiu o impacto sofrido com seu contato com Hônen através das seguintes palavras: “Ainda que eu tenha sido enganado pelo Venerável Hônen e venha a cair nos infernos, eu nada terei de que me arrepender” [3].

Shinran passou a se aplicar ao estudo da Doutrina na ermida de Yoshimizu e progrediu tanto que em breve teve permissão para pintar o retrato do Mestre e para copiar seu principal trabalho, a Coletânea Sobre a Escolha do Nembutsu do Voto Original [4].

Entretanto, a comunidade dos adeptos do Nembutsu cresceu tanto que atraiu sobre si a hostilidade dos representantes do Budismo oficial, como os monges do Mosteiro do Monte Hiei e do Templo Kôfukuji de Nara. A repressão por fim se abateu sobre os devotos, com o pretexto de que estes atentavam contra os bons costumes. O Mestre Hônen e vários de seus principais discípulos foram banidos da capital e alguns destes últimos foram mesmo condenados à morte. Hônen foi confinado em Tosa (Ilha de Shikoku) e Shinran, com 35 anos de idade, em Echigo (Província de Niigata). Foi nesta região que ele se casou com Eshin-ni.

Nesta época, a miséria se alastrava por toda região de Kantô, as pessoas morriam uma após a outra. Mestre Shinran, não podendo afastar os olhos dessa situação de extrema penúria, decidiu realizar o Senbudokuju, prática que consiste em recitar por 1000 vezes o Jôdo Sanbukyô (Os Três Sutras da Terra Pura), ele não podia deixar de orar ardentemente, recitando ardentemente as Escrituras Sagradas, em prol do bem estar de todos. Porém, por mais que lastimasse, por mais que fosse compassivo, não poderia somente com esses sentimentos, salvar as pessoas ao seu redor, isso tudo acabou pesando profundamente no coração do Mestre Shinran, e ele resolveu desistir dessa prática de recitação do Jôdo Sanbukyô.

Shinran foi anistiado em 1211, mas não quis regressar a Kyoto, onde o Mestre Hônen já tinha falecido. Preferiu dirigir-se para o Leste do Japão, para Hitachi (Província de Ibaragi), onde se entregou a atividades pastorais. Ali passou ele a viver com o povo simples, cultivando a terra árida junto com os lavradores, sem tempo para olhar para trás e refletir a vida, encarando de frente a rigorosa vida dos agricultores e, praticando o Nembutsu e muitas vezes batalhando com as dúvidas que o assaltavam. Seu exemplo tocou profundamente o coração do povo e seus adeptos foram crescendo em número. Suas experiências nessa época depuraram cada vez mais sua fé no Nembutsu e o levaram a fazer sua famosa declaração sobre a Salvação dos Maus: “Se os próprios bons conseguem ir-nascer na Terra Pura; com muito maior razão, pois os maus o conseguirão” [5]. Tais experiências o levaram a se proclamar doravante um “tonsurado ignorante“. Declarou-se um simples companheiro e não um mestre dos numerosos devotos que o acompanharam.

Foi durante sua permanência no Leste do Japão que o Mestre Shinran escreveu a “Coletânea de Pensamentos Reveladores do Verdadeiro Ensinamento, Prática e Iluminação da Terra Pura” (Kyô-Gyô-Shin-Shô), verdadeiro manifesto da fundação da Verdadeira Escola da Terra Pura. Durante o restante de sua vida constantemente redigiu anotações e correções a essa obra.

Quando completou 60 anos de idade, uma série de razões levou Shinran a regressar a Kyoto, onde escreveu uma série de trabalhos destinados a seus devotos do Leste, como “Cartas“, os “Hinos da Terra Pura“, “Hinos dos Patriarcas“, “Hinos das Três Épocas” e o “Comentário ao Yui-Shin-Shô” e a redação definitiva do Kyô-Gyô-Shin-Shô. Durante essa fase mudou ele de residência por várias vezes.

No dia 28 de novembro de 1262 encerrou ele sua longa vida dedicada ao Nembutsu, com 90 anos de idade.

  • [1] Monte Hiei (Hiei-zan): Sede da Escola de Budismo Tendai, introduzida no Japão pelo Mestre Saityô (Dengyô-Daishi).
  • [2] Mestre Hônen: Hônen-Shônin, também conhecido como Genkû (1133-1212), venerado pelo Mestre Shinran como o 7º Patriarca na transmissão da Doutrina da Terra Pura. Fundador da Escola da Terra Pura (Jôdo-Shû) no Japão.
  • [3] Tannishô (O Tratado de Lamentação das Heresias), capítulo II.
  • [4] Senjaku-Hongan-Nembutsu-Shû.
  • [5] Tannishô, cap. III.